sexta-feira, 18 de setembro de 2009

mensagens [criadas por elias ]

O amor, o sexo e a paixão O amor, a paixão e o sexo estavam discutindo, qual deles seria o mais importante em uma relação. A paixão saiu na frente e disse: a paixão é a mais importante quando ela nasce, é avassaladora, por paixão as pessoas fazem loucuras. O sexo retrucou: o sexo é o mais importante, pois é depois de fazer o sexo que as pessoas se apaixonam, o amor não retrucou, apenas falou: se para amar for preciso, se apaixonar ou fazer sexo, não me importo em ficar por ultimo. Então a paixão e o sexo reclamaram: nós falamos de como somos mais importantes em uma relação, e você, o amor não se defende, até aceita em ficar por ultimo! Então o amor respondeu: a paixão pode ser avassaladora, mais um dia passa, o sexo é muito importante, mais com o tempo ele se acalma, mais o amor pode esperar uma vida inteira para nascer, porque quando nasce entre dois seres, ele é eterno. -------------------------------------------------------- O tempo O presente perguntou: o que será de mim amanhã? O futuro respondeu: depende do que você fez ontem.O passado concluiu, a resposta para o presente só o tempo dirá. ------------------------------------------------------- Uma roupa pode aparentar aonde você está,jamais quem você é fora dela. -------------------------------------------------------- A história nos mostra que as grandes pessoas são medidas pelas palavras,não pelo seu tamanho,suas roupas ou seu cargo. -------------------------------------------------------- Para admirar tua beleza externa tu olhas para o espelho,mais só olhando para teu próximo verás como está tua beleza interior.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Que saudade

Dizem que relembrar o passado é sofrer duas vezes, mais tem lembranças que se tornam eternas. Como posso deixar no esquecimento minha infância ,e com ela os melhores momentos de minha vida ao lado de meus pais e meus irmãos.

Que saudade! Que saudade quando acordava pela manhã e ficava ouvindo ao longe a voz de meus pais conversando na cozinha, ao lado do fogão, tomando chimarrão, que saudade da voz de meu pai de segunda a sexta me chamando para trabalhar às sete da manhã [filho ta na hora]. Que saudade do barulho de seu chaveiro que carregava na cinta e anunciava que ele estava vindo junto de seu cachorrinho [bilizeu].que saudade de nossas pescarias,de quantos bagres pegamos juntos,de nossas pescarias de lambaris,de quando eu chegava da escola e o via macetando chumbada,no trilho da estrada de ferro,e logo eu ia perguntando se iríamos pescar,e ele com um jeito de quem não queria, dizia :podemos ir mais esta ventando do mar,e este vento não é bom para peixe,mais na verdade ele estava doido para ir posar na barranca do rio. Que saudade de ver minha mãe e minha irmã arrumando nossas tralhas para irmos pescar,Que saudade de suas historias de quando trabalhava na estrada de ferro,de suas pescarias,das caçadas de tatú, de sua briga no baile ,historias de seus irmãos ,de sua mãe e seu pai.Das vésperas de natal,quando ele levantava tomava banho vestia sua melhor roupa,se perfumava e íamos temperar as carnes ,para então assarmos tomando uma cervejinha.Que saudade de seus conselhos,de quando chorou ,só porque eu tinha apanhado na rua,de meu primeiro carro que meu pai e minha mãe me deram,que saudade das noites que passamos acordado jogando truco,com meu irmão Jorge e nosso amigo sobrinho,de seu jeito inesquecível de dar as cartas.que saudades das finais de copa do mundo em que sempre assistimos juntos,e da promessa que fiz a mim mesmo que enquanto meu pai fosse vivo assistiria ao lado dele,todas as copas do mundo,que saudade de minha mãe,se pode-se chamar alguém de santa aqui na terra ,minha mãe foi uma.Saudade de colo,não existirá cama mais aconchegante que seu colo,não existira perfume mais acolhedor do que seu cheiro,saudade de sua comida que embora simples,tinha o melhor sabor que já provei.saudade de sua mão,que muito mais que me segurar,ela me indicava o caminho a seguir,e me dava segurança.que saudade das suas historia de seus antigos namorados,de como juntavam barro colorido para pintar o fogão de barro de seus pais com quem morava, dos bailes que freqüentava,das festas do divino,de nossa chácara aonde nasci.Que saudade quando eu abusava com alguma fruta e ficava com dor de barriga,e la estava minha mãe ao lado do banheiro com uma caneca de chá de losna,de hortelã,ou erva doce ,para me dar e curar minha dor de barriga,mais ela morreu sem saber que na verdade os chás faziam bem,mais o que me curava era a presença dela ao meu lado,de como ficava desesperada quando saia sangue de meu nariz,que saudade de ver ela chegando em minha casa quando eu não estava bem,mais só de ver ela ao meu lado, minha doença já aliviava.Que saudade da tarde ensolarada em que ela passava roupa na mesa,enquanto escutava-mos a radio atalaia,tocando a música [índia] e eu brincava com meu carrinho em cima do caixão de lenha,eu consigo sentir o cheiro que tinha o ar daqueles dias até hoje,que saudade de quando depois de casado quando chegava em sua casa e ela dizia :não sei porque,foi o filho que mais me judiou,mais como gosto desse fião.[era assim que ela se referia a mim para dizer [filhão].Que saudade do orgulho que ela tinha quando andávamos abraçados,de quando ao trocar de carro levava ela para dar uma volta e ela dizia que o carro era tão macio,que dava para andar com um copo de água na mão.Que saudade das balas que dava para meus filhos,mais acabava agradando a mim,sei que é tarde demais para sentir saudade,pois tive todo o tempo do mundo para matar esta saudade,mais subestimei o tempo,achando que ainda era cedo,mais o criador ,aquele que nos da a vida,também estipula o tempo em que viveremos na terra,e o tempo de meus pais chegou ao fim ,e não posso me queixar da vida,pois Deus me deu os melhores pais do mundo,que mesmo sem estudos me educaram,me ensinaram a amar a Deus e ao próximo,e se sou o homem de hoje,é porque tive as melhores pessoas que conheci como referencia na minha vida,Meu pai Serafim Diniz e minha mãe Helena P C Diniz.